Devemos Tocar Música Enquanto Estão Pregando ou Orando?

Devemos Tocar Música Enquanto Estão Pregando ou Orando?
"Deus pode usar a música para fazer o seu trabalho. Mas Ele não precisa de música para fazer o seu trabalho."

 

Alguém em minha igreja recentemente me enviou um e-mail perguntando por que tocamos músicas de fundo em diferentes partes do encontro de domingo (orações, batismos, leituras, etc.). É uma boa pergunta. Podemos ser influenciados ou viciados pela nossa cultura musical, bem como nossas tradições e práticas, acreditando que é impossível para o Espírito de Deus se mover no coração das pessoas sem música. Esse tipo de pensamento faz da música um mediador e não um meio. Deus pode usar a música para fazer o seu trabalho. Mas Ele não precisa de música para fazer o seu trabalho.

Portanto, minha resposta direta à pergunta (Devemos tocar musica enquanto as pessoas estão pregando ou orando?) é “não necessariamente”. Ela pode ser facilmente confundida com manipulação emocional. E, em alguns casos, é manipulação emocional. Pode ser uma distração (que eu explicarei daqui a pouco). Mas porque alguma coisa está mal feita ou com motivações erradas não há razão de rejeitá-la inteiramente. A resposta certa contra o mau uso não é desuso, mas uso adequado.

Então, essa foi uma parte de minha resposta ao meu amigo:

Nas Escrituras, muitas vezes, parece haver uma conexão entre a música sendo tocada e o Espírito se movendo no coração das pessoas. Veja 1 Crônicas. 25:1 , 1 Samuel 10:5-6 , 2 Reis 3:14-16 e também Efésios. 5:18-19. A música bem tocada pode ajudar a conectar as diferentes partes da reunião, enfatizar aspectos do que está sendo falado, ou suavizar o coração das pessoas para ouvir mais atentamente. Mas não é biblicamente ordenado e não têm que acompanhar cada vez que alguém está falando. E se for mal feita, pode ser uma distração. Mas eu acho que pode servir nos caminhos acima mencionados.

Agora vou descompactar o que quero dizer com a música sendo “mal feita”. Aqui estão alguns exemplos de música de apoio que podem se tornar distração:

1. Música muito alta:

Obviamente, isso cria problemas para quem está tentando se concentrar na fala de alguém. Muitas vezes, porém, a falha pode ser na mesa de som, ao invés do músico individualmente.

2. Música muito criativa ou complexa:

Tocar uma transição como música de fundo para alguém que está falando não é o momento ideal para me manter musicalmente estimulado: explorar novas progressões harmônicas, experimentar estranhos saltos melódicos, ou vagar sem rumo para cima e para baixo no teclado (ou no braço da guitarra).

3. Música que é muito familiar:

Eu sei que as pessoas têm boas intenções quando estão tocando uma música bem conhecida por trás de alguém orando, mas eu continuo precisando evitar um desastre de trem na minha mente como as letras que se chocam com as palavras do orador.

4. Música que está fora de sintonia ou mal tocada:

Coloquei esses juntos, porque eles são muito semelhantes. Pode ser imensamente perturbador o guitarrista escolher um padrão simples quando o acorde Si (B) é quase a metade do compasso. Doloroso pode ser uma palavra melhor. O mesmo vale para quando um tecladista bate regularmente em notas erradas, ou está tentando descobrir o que tocar para acompanhar por onde o orador vai.

5. Música que é inapropriada:

Música de celebração e alegria por trás de uma oração de arrependimento. Música letárgica atrás de uma proclamação apaixonada. Colocar música por trás de tudo.

Se eu estou em uma congregação e encontro uma música que distrai (por qualquer motivo), eu vou pedir a Deus para me ajudar a me concentrar e ficar mais atento ao que está sendo dito. Então eu poderia verbalizar respostas (“amém”) para ajudar a me concentrar mais diretamente. Se for um problema constante na minha igreja, eu converso com um dos líderes ou pastores sobre o assunto e sugiro algumas soluções. Ei, você poderia até mostrar-lhes esta mensagem.

Se eu sou uma das pessoas que tocam as músicas, alguns pensamentos me ajudarão a tocar de uma forma que não distrai.

1. Quando eu tocar como fundo para alguém que está falando, ouço mais ao que está sendo dito do que o que estou tocando.

2. Permito espaços no que estou tocando para o pregador ser ouvido.

3. Uso a música para apoiar a verdade ao invés de suplantá-la.

4. Toco progressões de acordes que são relativamente simples e repetitivos. Por exemplo, a última progressão harmônica da música anterior, a progressão a partir do meio da música, um padrão de acordes a partir da próxima música, ou uma progressão independente Dó-Fá-Dó-Fá (CFCF)

5. Às vezes a distração pode ser menor ao passar para o ritmo e a chave da próxima música, enquanto alguém está falando e não quando eles terminarem.

6. Toco uma progressão não-rítmica, que reflete e apóia o conteúdo que está sendo compartilhado.

7. E talvez mais importante, não assumo que tenho que tocar qualquer coisa. Devemos ficar à vontade até mesmo para apreciar as transições e as palavras que estão sendo ditas.

Fonte: www.worshipmatters.com

Comentários

comentários