7 Pontos que eu preciso saber como Ministro de Louvor

7 Pontos que eu preciso saber como Ministro de Louvor

Comecei a liderar a adoração bem no início do que agora denominamos  movimento de adoração moderno. Eu fui o primeiro líder de louvor “contemporâneo” no ministério itinerante. Eu ajudei a introduzir nas igrejas:  Chris Tomlin, Matt Redman, Tim Hughes, Charlie Hall, Third Day e muitos outros . Lembro-me de onde eu estava quando ouvi “Here I’m to Worship” em um CD de divulgação distribuído na minha livraria cristã local.

Meu ponto é que estou velho. Meu segundo ponto,  é que eu surgi em um momento em que a Internet estava apenas começando a se tornar o que é hoje,  e a ideia de haver toneladas e toneladas de conteúdo disponível sobre adoração para nós, líderes de adoração da época, não era uma realidade. Eu costumava  brincar dizendo,  que conseguia encontrar todas as letras de música no site worshiptogether.com, mas a realidade era que, em 2001, esse site ainda tinha pouco conteúdo sobre isso, e mesmo que isso acontecesse, minha internet dial-up era muito lenta e eu tinha “déficit de atenção” e não conseguia esperar.

Eu realmente gostaria de ter tido alguém mais experiente que eu,  que compartilhasse suas experiências para eu não ter que cometer os mesmos erros. Então, hoje, estou escrevendo para mim aos 23, 16 anos atrás. E talvez eu esteja escrevendo para você.

Aqui estão os 7 pontos que eu precisava saber sobre ser um líder de adoração:

1. Estude Mais

Se você adora à Deus porque é uma pessoa criativa e nada mais faz sentido, ótimo. Estamos no mesmo barco. Eu amo a Jesus. Eu amo música. E como é maravilhoso poder combinar as duas coisas.

Mas, se você já me ouviu ministrando a respeito de adoração nos últimos anos, você me ouviu falar a respeito da importância do conhecimento.

Parte deste conhecimento é entender como fazer bem feito o seu trabalho. E uma grande parte desta competência é a ideia de que conhecimento de Deus, a teologia,  é vital para você entrar na unção e no seu chamado como ministro de louvor.  Eu penso que o desejo tem uma grande importância para iniciar como ministro de louvor. Mas se é o único motivo que te conduz no ministério, logo você se sentirá vazio.

Eu fui assim. E gostaria que  ter tido alguém me dissesse o quanto é importante para nós como líderes de adoração sermos teólogos. Estude a Palavra. Saiba por que fazemos música na igreja e por que liderar e como liderar . Saiba quem você é para Deus, e quem é Deus para você.

Eu poderia escrever um artigo inteiro a respeito deste assunto, mas para ser mais breve: a) te indico o livro Doxology & Theology by Marr Boswell ( e outros), leia e releia e faça suas anotações, e b) acredite quando digo, que teologia – o estudo de Deus – irá revolucionar o modo como você vai liderar pessoas à adoração.

2. Pessoas são importantes

Por muito tempo, vivi com a ideia de que a excelência era a coisa mais importante. E inegavelmente fui bom em obter resultados excelentes. O problema era que ao longo da jornada de chegar à excelência, deixei um rastro de corações partidos e feri as pessoas. Eu estava errado a respeito disso, e passarei o resto da minha vida vivendo com a realidade de que as pessoas são o ponto mais importante.

Ou como eu gosto de dizer: a busca da excelência não é um fruto do Espírito.

Somos chamados para amar. Liderar em amor. Colocar as pessoas acima dos resultados e – se a sua experiência é como a minha – você ficará surpreso em como os resultados vem.

Aqui está uma grande metáfora que meu mentor compartilhou comigo e isso revolucionou meu modo de pensar.

Quando eu estou vestindo meu filho ( quando ele é ainda uma criança), eu tenho duas escolhas: 1) Eu posso simplesmente obrigá-lo a se vestir. Levanto os seus braços e visto a camisa, coloco as pernas na calça. Posso vesti-lo rapidamente. Mas se ele não estiver com vontade de se vestir, provavelmente ficará infeliz. Então, eu tenho que acalmá-lo. Ou 2) Eu posso brincar com ele um pouco, fazer cócegas para ele levantar os braços e  aí eu visto a camisa. E assim por diante. E, ao final, vou levar mais tempo para obter o resultado de vestir meu filho … mas se você levar em consideração o tempo necessário para acalmar meu filho com a opção 1, em última análise é muito mais rápido – e pacífico – simplesmente fazer algo diferente (para vê-lo vestido) enquanto brinca com ele o tempo todo.

Esta é uma verdade biológica: não podemos estar em conexão com uma pessoa quando esta for simplesmente parte de um plano. Então, se o nosso alvo é a excelência, e estamos trabalhando para edificar a vida das pessoas , e se vivemos somente em função do plano ou projeto, não estaremos aptos para nos conectar com pessoas e em última instância – mesmo que obtenhamos os resultados que queremos – vamos deixar um rastro de corações partidos e pessoas machucadas. Como aconteceu comigo.

Mas quando decidimos colocar o projeto em segundo plano, priorizando a conexão com a as pessoas enquanto alcançamos o objetivo, podemos alcançar nossos objetivos e ao mesmo tempo atender às necessidades das pessoas.

E é assim que redirecionamos os resultados, ao tornar as pessoas mais importantes. Trata-se de conexão. E a conexão é o ponto principal, não um resultado subjetivo que nós impusemos a nós mesmos ( ou que tenha sido imposto a nós).

Priorize as pessoas e eu posso te garantir que os resultados serão uma consequência disso.

3. Ser “legal não é o que importa

Eu tentei ser o “cara legal” por muito tempo. Não seja como eu. Porque a verdade é: o Evangelho não é  uma coisa legal e nem mesmo uma canção de adoração. Compreender isso é essencial.

Colossenses capítulo 3, diz que a adoração coorporativa é parte do processo de santificação. Então, isso significa que a nossa responsabilidade como ministros de louvor é envolver as pessoas em algo que seja vital. Este peso de responsabilidade não nos torna mais importantes – e eu penso que é aí que “ser legal” não se encaixa, porque estamos lidando com uma grande responsabilidade e isso significa que devemos nos aproximar e liderar as pessoas com sobriedade e simplicidade. A sobriedade raramente é legal.

Seja sóbrio e não o “cara legal”.

Oh, e quando você estiver numa plataforma, deixe que a sua sobriedade se torne em liberdade e alegria.

4. Performance não é importante – Paixão sim

Falando de alegria e liberdade… eu trabalho com equipes de louvor de várias igrejas, ajudando a eles a avançarem em sua jornada ministerial. Quando eu falava sobre performance, por anos pessoas olhavam pra mim com nojo, “Como podemos ser performáticos em adoração?!”E eu entendi.  Performance em adoração é algo pesado. E honestamente, é.

A adoração deve ser momentos de liberdade, de pura expressão de gratidão, louvor e alegria para com o que Deus fez e está fazendo. A performance é uma fachada que colocamos para tentar contar uma história. A paixão diz: “Eu sou apaixonado pelo que estou cantando, e vou mostrar isso com a minha expressão corporal”. Mas não só isso … a paixão diz: “Ao liderar, COMO eu expresso minha adoração – minha paixão pelo que Deus está fazendo e tem feito – é um convite para os outros se juntarem a mim em liberdade e alegria. Se pareço entediado, desinteressado ou infeliz, não estou expressando o que está em meu coração e comunicando algo diferente do que é verdade .”

Performance é algo sem importância – a expressão da paixão é tudo.

5. Busque entender as pessoas

Eu entendi (o que eu acredito) uma verdade que revolucionou minha vida: fora dos menos de 1% do mundo que são sociopatas e psicopatas, eu acredito que as pessoas são basicamente boas e querem fazer coisas boas e agradar aos outros em algum nível. Se eles estão agindo de forma diferente do que isso, de alguma forma negativa, então eu acredito que quase 100% do tempo, vem de um lugar de mágoa ou medo. (E eu gostaria de esclarecer que não estou falando sobre nossa natureza pecaminosa, mas além dessa queda original, queremos fazer o bem, geralmente).

Se eu acredito que isso seja verdade, então quando alguém reage com raiva ou depressão ou – nomeie sua emoção negativa – então provavelmente veio de um espaço onde eles ficaram assustados ou feridos. Ou ambos. E porque há uma verdade biológica no que somos, em todos os momentos, em todas as escolhas, reagindo não apenas a este momento, mas a cada coisa que nos aconteceu, então provavelmente a mágoa ou o medo não tem nada a ver comigo.

E isso me permite buscar entender as coisas. Quando vejo alguém agir de uma forma que poderia ser percebida como negativa – eles atacam um colega de trabalho, eles ficam cheios de orgulho, parecem deprimidos -, fico cada vez mais curioso sobre o porquê disso. E isso faz com que eu faça perguntas, ouça e descubra o que está por baixo de tudo o que origina esse comportamento- pelo menos a causa – dessa mágoa ou medo.

Outra verdade biológica: é impossível ficar com raiva / deprimido / compreender sua emoção negativa enquanto está tentando entender as pessoas. No ministério – como na vida – você verá pessoas reagirem com mágoa ou medo. VOCÊ  também reagirá com mágoa ou medo. Quando isso acontece, reaja tentando entender as pessoas (até para si mesmo) e se pergunte, Hmmm, eu me pergunto por que essa pessoa (ou eu) está agindo dessa maneira. Eles devem estar realmente tendo um grande sentimento. Eu me pergunto o que é aquilo. Pergunte. Cave mais fundo, tente entender o porquê.

Acho que você descobrirá com muita rapidez com que frequência A) percebe com o que está lidando e o que isso tem a ver com você e B) com que frequência isso o leva a uma confiança e conexão mais profunda com a pessoa com a qual você está interagindo. Sei que quanto mais você puder entender as pessoas, mais irá viver o fruto do Espírito.

Julgamento – nos tira da conexão. Conexão é o que permite que as pessoas sejam bem sucedidos na missão.

6. Mentores são mais importantes do que você pensa

Eu gostaria de ter conhecido o DR Dickey quando eu tinha 23 ao invés de 35 anos. Meu ministério teria sido melhor, eu teria sido um líder melhor e mais compassivo, melhor marido e homem. Como mentor, o DR foi para mim uma revolução. Nossas viagens para comer churrasco no Texas, andar no carro e falar sobre a vida e o ministério me ajudaram a perceber quão pouco meu ministério se parecia com o ministério de Cristo. E o DR nunca me disse isso. Ele simplesmente acreditou em mim e me amou e cuidou de mim carinhosamente quando eu precisei.

Embora eu não esteja mais trabalhando todos os dias com o DR, a influência dele na minha vida continuará para sempre.

Encontre o seu DR. Eu provavelmente conheci esses caras quando tinha 23 anos … e 24, e 25 e 26 e assim por diante … mas eu não sabia o quão importante eles eram. Agora eu sei. E estou lhe dizendo, encontre aquela pessoa que pode torná-lo melhor e aprenda tudo o que puder com eles. Mas, leve-os para comer um churrasco sempre que possível para honrar o que eles estão lhe dando, esse relacionamento não deve ser unilateral

7. Honra é mais importante do que você pensa, também

Esta foi talvez a lição mais difícil para mim e a que levou mais tempo. Para ser perfeitamente honesto, muitas das outras 6 dessas lições aqui teriam sido remediadas com essa simples: as pessoas são melhores quando vivem em honra. Não por causa do que eles te dão, mas por causa do que está dentro de você.

Há uma história – que eu não vou entrar em detalhes aqui – onde o poder de Jesus é silenciado por falta de honra. Se você realmente deseja ver as pessoas ao seu redor – seus líderes, sua equipe, seus voluntários – florescendo, então amontoe honra sobre honra. Encoraje-os. Levante-os em oração e honra. Honre-os  em particular e publicamente.

Eu ainda estou aprendendo esta lição, mas eu posso lhe dizer que esse é o ponto mais importante.

E então, o que você diria ao seu eu mais jovem? O que você diria aos líderes mais jovens?

 

Fonte: Chris Sliga

Tradução : Christie Tristão

 

Comentários

comentários